Publicado em 2020-06-03 14:27:48

Inadimplência do consumidor araraquarense cai 0,6% no primeiro trimestre de 2020

Dados do início do ano não registraram impactos da pandemia do novo coronavírus; conjuntura atual, porém, aponta para uma piora dos níveis de insolvência causados pela Covid-19

O Indicador de Registro de Inadimplentes caiu 0,6% durante o primeiro trimestre do ano em Araraquara. No resultado interanual, a inadimplência registrou queda de 2,6%, enquanto nos dados mensais de março contra fevereiro, o índice cedeu 0,7%.

De acordo com o levantamento realizado pelo Núcleo de Economia do Sincomercio Araraquara, com base nos dados divulgados pela Boa Vista SCPC, o indicador relata o comportamento do mercado de crédito antes da pandemia de Covid-19 impactar o cenário econômico brasileiro, que vinha apresentando resultados positivos nos três primeiros meses de 2020.

Ainda em relação ao período, o indicador de recuperação de crédito subiu 0,4%. No valor interanual, a recuperação obteve queda de 3,8% e nos dados mensais de março contra fevereiro o índice cresceu 0,3%.

Indicadores de Inadimplência e Recuperação de Crédito – Araraquara

Fonte: Boa Vista (SCPC). Elaboração: Sincomercio Araraquara

Já os dados mais recentes divulgados para a região sudeste em abril evidenciam os primeiros sinais de retração econômica derivada da pandemia de Covid-19. A comparação mensal apresentou elevação de 5,2% da inadimplência. Na análise interanual, o indicador registrou aumento de 8,7% e, no acumulado de 2020 contra 2019, o número foi 2,2% maior.

Indicadores de Inadimplência e Recuperação de Crédito – Sudeste


Fonte: Boa Vista (SCPC). Elaboração: Sincomercio Araraquara

Cenário de incertezas

No começo de abril, a Boa Vista SCPC também promoveu uma pesquisa sobre os hábitos dos consumidores em meio à pandemia com aproximadamente 600 consumidores. Na amostra, a maioria dos entrevistados (52%) disse não ter condições de honrar todos os compromissos financeiros nesse momento e 80% já fizeram uma revisão do orçamento doméstico.

Questionados sobre por quanto tempo acreditam conseguir manter as contas em dia, 56% responderam que em até dois meses. Outros 12% afirmam ter fôlego entre três e quatro meses e 12% para mais de quatro meses. Os 20% restantes não souberam dizer por quanto tempo conseguem arcar com seus débitos.

Pesquisa sobre hábitos de consumo em meio à pandemia - Brasil


Fonte/Elaboração: Boa Vista (SCPC)

Esse elevado nível de incerteza frente à crise sanitária e política prejudica o desempenho da economia por tornar o futuro nebuloso. “Consequentemente, deterioram-se as expectativas das famílias que optam por evitar parte do consumo, dado que não existem garantias de manutenção da renda e do emprego no curto e médio prazo. O resultado é a retração no consumo e o agravamento da crise”, avalia Marcelo Cossalter, pesquisador do Sincomercio.

Com o auxílio emergencial que o governo federal destinou para a parcela mais vulnerável da população, garantindo uma renda básica, a meta é sustentar a demanda do mercado e amenizar os efeitos da crise sanitária sobre a economia. “E do ponto de vista do mercado de crédito, as sucessivas reduções da taxa básica de juros têm o propósito de permitir o financiamento das dívidas acumuladas tanto pelas empresas como pelas famílias e assim proporcionar maior capacidade de todos honrarem os compromissos financeiros”, ressalta João Delarissa, também pesquisador do Núcleo de Economia do sindicato.

Metodologia - O indicador de registro de inadimplência é elaborado a partir da quantidade de novos registros de dívidas vencidas e não pagas e o indicador de recuperação de crédito é elaborado a partir das exclusões de registros informadas à Boa Vista pelas empresas credoras.

Por efeito de uma alteração na disseminação dos indicadores regionais, por parte da Boa Vista (SCPC), os dados municipais passarão a ser divulgados trimestralmente e de forma agregada.